quinta-feira, 21 de abril de 2011

Saúde quebrada no Paraná


São necessários cerca de R$ 130 mi­­­lhões para estabilizar as contas da Secretaria de Estado da Saúde (Se­­sa) do Paraná, que co­­meçou o ano com dívidas e compromissos de investimentos herdados do go­­verno anterior. O maior problema en­­contrado pela nova gestão é de­­finir de onde virá o dinheiro, já que o orçamento deste ano – de R$ 372 milhões – conta com R$ 20 mi­­lhões a menos que o de 2010. “Fo­­ram construídos hospitais, mas não há funcionários. Os recursos fo­­ram direcionados de forma equivocada, o que gerou demandas que temos que suprir agora”, afirma o secretário Michele Caputo Neto.
O rombo nas contas da Saúde do estado veio à tona a partir do Diagnóstico da Situação Estru­­tural e Administrativa do Es­­tado, divulgado pelo governo no último dia 12. A Sesa tem um passivo de R$ 99 milhões comprometidos com empenhos não processados – ou seja, pagamentos autorizados e não efetuados pa­­ra a compra de medicamentos, materiais e equipamentos. Co­­mo consequência, produtos não foram entregues, o que pode acarretar na falta de materiais hospitalares e remédios. A Sesa afirma que tem analisado os casos individualmente para que não haja escassez.
Além disso, as dívidas com fornecedores somavam R$ 53 mi­­lhões. Desse montante, a secretaria já pagou R$ 26 milhões. Também faltam R$ 7 mi­­­­lhões para que hospitais inaugurados no ano passado, como o de Guara­­que­­çaba e o de Ponta Grossa, possam colocar todas as alas em funcionamento. A previsão é de que os investimentos em hospitais sejam liberados até o final deste ano.
Para Caputo Neto, a situação caótica da Sesa é resultado de uma política equivocada de investimentos, que não priorizou o atendimento em áreas com maior demanda. “Es­­ta­­mos atraindo mais recursos para a Saúde e já garantimos para o ano que vem um aumento de R$ 130 milhões no orçamento. Precisamos de mais R$ 25 milhões para pagar as dívidas e empenhar grande parte dos R$ 99 milhões de empenhos não processados”diz Caputo Neto.
O secretário da Saúde do governo anterior, Carlos Moreira Júnior, foi procurado, mas informou que não poderia dar entrevistas por causa de uma viagem.
Hospitais
A situação de novos hospitais está entre os principais problemas. Em Ponta Grossa, o projeto do Hospital Regional (HR) ignorou normas específicas para a construção de estruturas hospitalares. O piso do centro de esterilização, por exemplo, suporta no máximo 300 quilos, mas deveria aguentar equipamentos de até três to­­neladas. “As deficiências são mui­­tas. A lavanderia, o almoxarifa­­do, a central de armazenamento de medicamentos, a UTI neonatal e o centro cirúrgico são pequenos pa­­ra a demanda que o hospital vai gerar”, afirma a diretora-administrativa do HR, Scheila Mainardes. As adequações da unidade estão sendo feitas e espera-se que até o fim do ano o hospital esteja pronto.
O diretor-técnico do HR de Gua­ra­queçaba, Jonathan Loschner, vi­­ve a mesma expectativa. A estrutura do hospital apresenta rachaduras no piso e infiltrações, além de não possuir unidade de oxigênio. “Foi construído um elefante branco, mas estamos tentando fazer isso funcionar”, afirma o diretor.
Texto: GazetadoPovo – foto: Divulgação 
Programa Cidade Noticias  (12:00 as 13:00 hrs) – Radio Cidade – www.cidade104fm.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário