quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Vereador eleito de Cascavel cumpre sua proposta de campanha e abre mão de seu salário de vereador



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: CATVE Imagem: CATVE

O documento em que renuncia ao subsídio foi entregue ao procurador jurídico da Câmara. O presidente da casa, Márcio Pacheco, abriu mão do salário de vereador. Ele deixa de receber R$ 9.600 por mês pela função legislativa. Ele optou em continuar com o salário de policial, cerca de R$ 7.800,00. Ele poderia acumular as remunerações caso continuasse a exercer o trabalho de policial. Além de Pacheco, cinco vereadores eleitos para esta gestão são funcionários públicos. Jaime Vasatta é um deles, concursado da prefeitura de Cascavel decidiu pedir afastamento, mas vai receber a gratificação de legislador. Vanderlei do conselho é professor público. Resolveu se licenciar para ser vereador e escolheu a remuneração mais atrativa. A de vereador. O médico Jorge Luiz Bocasanta que está viajando continua exercendo a profissão. De acordo com a assessoria do gabinete, ele divide o tempo entre a câmara e o atendimento aos pacientes do sistema público. Recebendo os dois salários. A mesma situação do professor Paulo Porto que também não foi localizado. Ele dá aulas na Unioeste. E embolsa as duas remunerações. O bombeiro da reserva Nei Hamilton Haveroth também acumula os dois salários. Como já é aposentado, não precisa comparecer na corporação. O vereador não tem carga horária a cumprir, a exigência é apenas que compareçam as sessões semanais, mas mesmo assim a falta pode ser justificada. A pergunta é que os eleitores fazem é se seria possível exercer outra profissão e legislar? Para a maioria da população a dedicação ao cargo deveria ser em tempo exclusivo. 
Confira a matéria da CATVE
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário