domingo, 11 de dezembro de 2016

‘Fui ordenada a mudar informe do voo da Chapecoense’, diz funcionária boliviana



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: BANDA B Imagem: Divulgação

Refugiada no Brasil, a boliviana funcionária da Administração de Aeroportos e Serviços Auxiliares à Navegação Aérea (Aasana) em Santa Cruz de la Sierra, publicou carta nesta quinta-feira em que afirma ter sofrido pressão de seus chefes para modificar o informe que tinha realizado para apontar irregularidades no voo que transportaria a Chapecoense. Celia Castedo garantiu ter feito cinco observações no plano de viagem da LaMia, companhia boliviana que transportava a equipe.
O conteúdo da carta foi divulgado na íntegra pelo jornal El Deber. No voo, realizado na madrugada de segunda para terça-feira da última semana, a aeronave não teve combustível suficiente para pousar em Medellín, na Colômbia, e caiu a poucos quilômetros da chegada. “Fui submetida a pressões e perseguições por parte dos meus superiores desde a manhã do dia 20, quando se começa tudo, sendo ordenado para mim modificar o conteúdo do informe que horas antes minha pessoa tinha apresentado internamente”, escreveu.
Celia procurou refúgio em Corumbá (MS) por temer acusações e ameaças em seu país. O voo causou a morte de 71 pessoas, 19 delas jogadores da Chapecoense. O elenco fez escala em Santa Cruz de la Sierra, de onde partiu em avião fretado para o noroeste da Colômbia, onde jogaria a primeira partida da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional.
A funcionária afirmou que pelo cargo que ocupa, não tem autoridade para deter ou impedir a saída de aeronaves. “Devo esclarecer também que o carimbo e a minha assinatura estampadas no citado plano de voo representam um protocolo de recepção do documento”, afirmou. Ela escreveu que a responsabilidade final sobre as viagens recai sob a Direção Geral da Aeronáutica Civil da Bolívia (DGAC).
Celia atribuiu a manutenção do relatório ao despachante Alex Quispe, uma das vítimas da queda. Segundo a funcionária, o colega lhe disse que a decisão foi tomada pelo capitão da aeronave. Ficou demonstrada a intransigência da linha aérea para atender as observações feitas pela minha pessoa”, disse.
A boliviana comentou que por ter sofrido pressões em seu país, como a presença obrigatória em uma audiência, pede à opinião pública que compreenda os motivos de ter fugido ao Brasil, onde pediu asilo. “Ao mesmo tempo, desejo expressar meus sentimentos de profunda dor e pesar aos familiares e amigos das vítimas do acidente aéreo do voo LMI2933”, afirmou. 
MATÉRIAS RELACIONADAS: 
Avião que transportava delegação da Chapecoense sofre acidente na Colômbia.
 
"Aeronave reportou falhas elétricas", diz comunicado do aeroporto da Colômbia.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Controladora de voo que conversou com piloto antes do avião da Chape cair faz desabafo.

Anac revela que a companhia aérea LaMia teve quatro voos negados no Brasil.

LaMia fez quatro voos no limite da capacidade nos últimos seis meses.

Sem receber vaias nem aplausos, Temer não faz pronunciamento durante velório.

Chapecoense será declarada campeã da Sul-Americana e receberá 2 milhões de dólares.

Anjo? Pai diz que filho é herói e explica sumiço após garoto salvar atletas.

Chape é declarada campeã e garante ao menos US$ 4,8 mi em premiações.

Lamia emite nota uma semana após tragédia: “Buscamos o bem-estar dos afetados”.

Com trauma no pulmão, Neto não apresenta evolução e está em estado muito crítico.

Chapecoense pagou por parada técnica, diz TV.

AFA poupa R$10 mil com LaMia, e voo chega com 18 minutos de combustível.

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário