sexta-feira, 28 de outubro de 2016

'Mão de vocês está suja com sangue', diz aluna a deputados do Paraná



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: RPC Imagem: Divulgação

Emocionada e com a voz embargada, a estudante Ana Júlia Ribeiro, de 16 anos, fez um discurso sobre o movimento de ocupação das escolas no Paraná durante a sessão da Assembleia Legislativa (Alep) na quarta-feira (26). Ela disse que a mão dos deputados estaduais está suja com o sangue do adolescente Lucas Mota, que morreu dentro de uma escola ocupada no estado.

Logo no início da fala, a adolescente perguntou de quem é a escola e a quem ela pertence. “Eu acredito que todos aqui já saibam esta resposta. E é com a confiança que vocês conhecem esta resposta é que eu falo para vocês sobre a legitimidade deste movimento. Sobre a legalidade.”

Ela convidou os deputados estaduais a visitar, participar e conhecer de perto as ocupações. O movimento de ocupações começou nas escolas estaduais no dia 3 de outubro. Segundo a última atualização da União Paranaense dos Estudantes Secundaristas (Upes), de sexta-feira (21), o Paraná tem 850 escolas estaduais ocupadas. A Secretaria da Educação fala em 590. De toda forma, o estado tem o maior número de ocupações do país.

“É um insulto a nós que estamos lá, nos dedicando, procurando motivação todos os dias, a sermos chamados de doutrinados. É um insulto aos estudantes, é um insulto aos professores. A nossa dificuldade em conseguir formar um pensamento é muito maior do que a de vocês. Nós temos que ver tudo o que a mídia nos passa, fazer um processo de compreensão, de seleção, para daí conseguir ver do que a gente vai ser a favor e do que a gente vai ser contra”, afirmou Ana Júlia.
Para ela, este não é um processo fácil para estudantes.
“É um processo difícil, não é fácil para estudantes simplesmente decidir pelo que lutar. E mesmo assim a gente ergueu a cabeça e estamos enfrentando isso.”

Ana Júlia enfatizou que os jovens sabem por que estão lutando. “A nossa bandeira é a educação. A nossa única bandeira é a educação”.
Ela mencionou ainda outros temas que são inerentes à educação que também estão na pauta dos estudantes, como a proposta da escola sem partido.

“O 'escola sem partido', nos insulta, nos humilha, nos fala que a gente não tem capacidade de pensar por si próprio. Só que a gente tem, e a gente não vai abaixar a cabeça para isso”, afirmou a jovem, em referência a um movimento que critica a ocupação de colégios.

Morte do adolescente
Ela também falou sobre o adolescente Lucas Mota, que morreu dentro de uma escola ocupada. “Eu estava no velório do Lucas ontem e não me recordo de nenhum destes rostos aqui. Não me recordo de nenhum”, disse a jovem aos deputados.
O adolescente foi morto a facadas. O suspeito é um adolescente de 17 anos que teria confessado o crime, de acordo com a Polícia Civil. Ainda conforme a polícia, os dois se desentenderam após dividir um microponto de LSD.

“Vocês estão aqui representando o Estado, e eu convido vocês a olharem a mão de vocês. A mão de vocês está suja com o sangue do Lucas. Não só do Lucas, mas de todos os adolescentes e estudantes que são vítimas disso”.
Tensão
Se por um lado, ela arrancou aplausos da plateia, a estudante acirrou os ânimos dos deputados e o presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), interrompeu o discurso e ameaçou encerrar a sessão. “Aqui você não pode agredir o parlamentar”, disse o deputado.
“Eu, como presidente exerço a minha autoridade, democraticamente, permiti que vocês viessem aqui e não vou permitir que ninguém será afrontado”, disse  o parlamentar.

“Aqui ninguém está com as mãos manchadas de sangue, não”, acrescentou Traiano.
Em seguida, a jovem pediu desculpas. "Eu peço desculpas, mas o ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente] nos diz que a responsabilidade pelos nossos adolescentes, nossos estudantes é da sociedade, da família e do estado."

“Nós não somos vagabundos, como dizem aqui. Como a sociedade, lá fora, diz. Nós estamos lá por ideias, nós lutamos por eles, nós acreditamos neles. Eu convido vocês a irem às ocupações, a verem nosso desgaste psicológico, a ver que não é fácil estar lá e que a gente vai continuar lutando”.

Segundo ela, os deputados serão bem recepcionados porque a ideia é apresentar o porquê da ocupação. A jovem afirmou ainda que o movimento estudantil apresentou uma noção de política e cidadania maior do que o tempo em que ficou em sala de aula.
“Uma semana de ocupação nos trouxe mais conhecimento de política e cidadania do que muito outros anos que a gente vai ter dentro de sala de aula”.
Ana Júlia afirmou que apesar ridicularização, da desmoralização, das ofensas e dos problemas, há felicidade nas ocupações. Segundo ela, o entendimento é de que os jovens deixaram de ser meros adolescentes para se tornar cidadãos comprometidos.
Assista aqui.
MATÉRIAS RELACIONADAS:
Alunos ocupam Colégio Agrícola de PG. 

Justiça nega reintegração de posse de escolas.
 

Número de escolas ocupadas no Paraná chega a 210, diz movimento.

Alunos ocupam o Col. Barão de Capanema.

Justiça aceita pedido de reintegração de posse do Col. Agrícola em PG.

Governo decide acionar Conselho Tutelar e decreta recesso escolar.

Estudantes ocupam campus de Irati da Unicentro.

Pais e alunos opinam sobre ocupação de escolas da Rede Estadual.

Ocupação atinge mais da metade dos Colégios Estaduais de Guarapuava.

Mais dois colégios são ocupados em Prudentópolis.

Justiça autoriza reintegração de posse na UEPG.

Adolescente morre dentro de escola estadual ocupada no PR.

Colégio ocupado volta a ter aulas em Irati.

Suspeito pela morte de aluno em escola é preso em Curitiba.

Justiça autoriza reintegração de posse de 21 escolas de PG.

Em protesto contra PEC 241 e reforma do Ensino Médio, estudantes da UFPR ocupam prédio da Reitoria.

Após morte de colega, estudantes decidem desocupar escola em Curitiba.

Colégios federais do Rio estão ocupados contra medidas de Temer.

Justiça determina reintegração de posse em colégios de Irati e Inácio Martins.

Contra a PEC 241, alunos ocupam a UTFPR em Dois Vizinhos.

Bandidos invadem escola ocupada e assaltam alunos.

1.022 escolas e 84 universidades estão ocupadas em 19 Estados e no DF.


OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário