quarta-feira, 27 de novembro de 2019

Bolsonaro evita polêmica de Guedes sobre AI-5 e Toffoli reage à fala do ministro


By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: BANDA B Imagem: Divulgação

Em uma nova polêmica, desta vez envolvendo o ministro Paulo Guedes, o presidente Jair Bolsonaro não quis comentar nesta terça-feira (26) sobre a defesa de um novo AI-5 no país e ressaltou que o papel do auxiliar presidencial no governo é cuidar da política econômica.
Nos Estados Unidos, onde participou de um encontro de empresários, o ministro afirmou que não é possível se assustar com a ideia de alguém pedir a reedição de medida da ditadura militar diante de uma possível radicalização dos protestos no Brasil.
Continua depois da publicidade
Na entrada do Palácio do Alvorada, onde cumprimentou um grupo de eleitores, o presidente tergiversou, dizendo que preferia falar sobre o seu novo partido, o Aliança pelo Brasil, e não quis comentar a declaração de Guedes. O número da legenda na urna eletrônica deve ser o 38.
“Eu falo de AI-38. Quer falar de AI-38? Eu falo agora contigo. Quer o AI-38? Eu falo agora. Esse é meu número. Outra pergunta aí”, disse.
Editado em 1968, o AI-5 resultou no fechamento imediato do Congresso e no acirramento da censura no país. O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) defendeu a iniciativa em novembro. Desautorizado por seu pai, após repercussão negativa no Legislativo, ele recuou e reconheceu que foi infeliz.
Apesar de não ter comentado sobre o AI-5, Bolsonaro fez questão de ressaltar, durante conversa na entrada do Palácio do Alvorada, que o ministro cuida da área econômica. No início de seu mandato, o presidente afirmou que entende um pouco mais de política que Guedes.
“Agora, a economia, como eu disse, eu sou o técnico de futebol e quem entra em campo são os 22 ministros. É o Paulo Guedes quem está jogando na economia”, disse.
Na mesma fala, o presidente apoiou declaração de Guedes de que o país deve se acostumar com o elevado patamar do dólar, que fechou a segunda-feira (25) em novo recorde nominal de R$ 4,215. Ele disse esperar que o valor da moeda estrangeira caia, mas ponderou que há pontos positivos e negativos em uma cotação alta.
“Se ele [Guedes] falou, está falado. Eu espero que caia. Torço, assim como torço que caia a taxa Selic e que aumente nossa credibilidade junto ao mundo”, afirmou.
Continua depois da publicidade 
“Se você for analisar na ponta da linha, há prós e contras no dólar a R$ 4,21, como está agora”, acrescentou.
Na avaliação de Guedes, a alta do dólar é reflexo de uma mudança na política econômica brasileira, com juros mais baixos e câmbio de equilíbrio alto, que ainda não foi compreendida pela maior parte da população.
Segundo o ministro, a principal consequência do câmbio flutuante hoje será o aumento das exportações e a queda das importações brasileiras. Para Guedes, é “normal” que países que tenham maior controle fiscal exerçam uma política monetária mais frouxa.
O recorde anterior era da segunda-feira passada (18), quando a moeda foi a R$ 4,2070 e superou a marca anterior, de R$ 4,197, no período eleitoral de 2018.
Toffoli reage à fala de Guedes
Já o  presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, disse nesta terça-feira (26) que o “AI-5 é incompatível com a democracia”.
“Não se constrói o futuro com experiências fracassadas do passado”, completou o ministro do STF.
Frases antidemocráticas têm sido pauta quase constante no governo Bolsonaro. O próprio presidente afirmou, em entrevista ao jornalista José Luiz Dantena, em março deste ano, que “não houve ditadura no Brasil”. E que, como qualquer casamento, o regime teve alguns “probleminhas”.

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário