domingo, 20 de fevereiro de 2011

Internet de graça a população


Das praças de Candói, Santa Cecília do Pavão e Pitangueiras, no interior do Paraná, é possível fazer uma visita ao Museu do Louvre, em Paris, ou bater um papo em tempo real com alguém na Holanda. Distante do conceito de isolamento, as cidades tornaram-se pequenos pontos na teia da conexão global a partir da disponibilidade de internet gratuita para a população.
A primeira cidade do interior a garantir o passaporte para os moradores se conectarem foi Santa Cecília do Pavão, no Norte do estado. O projeto começou em 2005 com apoio de empresas privadas e órgãos públicos, incluindo o Ministério das Co­­­mu­­nicações. Hoje, 90% do município de 4 mil habitantes é coberto pela rede, diz o chefe de In­­­formática da prefeitura, Luiz Guilherme Borsatto. O desejo de melhorar os índices educacionais do município e a dificuldade de acesso dos moradores – antes de 2005 a conexão só era discada – fizeram a prefeitura participar de um projeto piloto do ministério na área de banda larga.
Outro município em que a rede digital gratuita faz parte da rotina dos moradores é Candói, no Centro-Sul do estado. Depois de um investimento de R$ 380 mil, a conexão foi liberada no ano passado com a tecnologia WiMesh (veja no quadro), para metade dos 14,8 mil habitantes. O acesso à internet diminuiu em 5% a inadimplência dos impostos municipais. A rede só é liberada aos cidadãos com os tributos em dia. Quem tem interesse vai ao departamento municipal de finanças, onde é expedida uma certidão negativa dos débitos, e recebe uma senha. “Assim como o poder público tem sua obrigação, o cidadão também tem”, diz o coordenador de Tecnologia e Informática do município, Argemiro Antunes Camargo.
Rede na praça
A sinalização na estrada para chegar a Pitangueiras, no Noroeste do estado, é precária. Quase não há placas indicando o caminho. Mas, em toda a cidade, não faltam painéis que informam a disponibilidade da internet sem fio gratuita, que chega a 80% das residências. Até há pouco mais de 18 meses, quando o serviço foi instalado, apenas 30 famílias e empresas do município de 2.814 habitantes tinham acesso à internet.
No Paraná, a cobertura digital da maior parte dos municípios é resultado de iniciativa das próprias prefeituras. Os governos estadual e federal ainda não têm uma participação efetiva no processo. Em cidades de maior porte, como Toledo e Foz do Iguaçu, Oeste do estado, escolas, parques e centros comunitários encarregam-se de conectar os moradores que não têm internet. Em Toledo há um projeto para instalar, a partir do próximo mês, dez telecentros com dez computadores cada. O acesso à rede também é gratuito aos alunos de escolas municipais, que usam os laboratórios de informática, a biblioteca pública e o Centro de Revi­­talização da Terceira Idade. Em Foz do Iguaçu, a prefeitura tem banda larga em 103 pontos, in­­­cluindo 52 escolas municipais. O sistema proporcionou uma economia de R$ 100 mil mensais so­­­mente na área de telefonia.
O Ministério das Comuni­­cações não tem estimativas de quantas cidades digitais existem em todo o país, mas informou que vai apoiar as prefeituras por meio do Plano Nacional de Banda Larga, cuja primeira fase contemplará 100 municípios brasileiros, nenhum deles no Paraná.
Texto: GazetadoPovo e foto: GazetadoPovo
Programa Cidade Noticias (12:00 as 13:00 hrs) – Radio Cidade – www.cidade104fm.com.br 

Nenhum comentário:

Postar um comentário