sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Diretor da Sanepar se defende



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: Raphael Marchiori (Gazeta do Povo) Imagem: Divulgação

Dizendo-se indignado e surpreso com as acusações da Polícia Federal, o diretor presidente em exercício da Sanepar, Antônio Hallage, deu a entender que a operação tem cunho eleitoral. “A Sanepar não é responsável pelos níveis de poluição que eventualmente são encontrados no Rio Iguaçu, que recebe grande material proveniente de indústrias, agricultura, pecuária, suinocultura e ligações irregulares de esgoto”, disse, em entrevista coletiva, antes de falar sobre a possibilidade de uso político da operação. “Que outra interpretação posso dar [que não seja motivação política]. Mesmo com a Polícia Federal em greve, mobilizaram um quadro de pessoas do estado inteiro. Não conseguimos entender que possa haver outra interpretação.”  Sem dar ênfase à questão, Hallage acabou criticando os investimentos que a empresa estadual recebia em gestões anteriores. “Estamos fazendo todo o esforço para reverter uma situação que vem na carência de investimentos, que causou uma deterioração do processo.” Procurado pela reportagem, Stênio Jacob, ex-diretor da Sanepar na gestão Requião, não quis se pronunciar a respeito. Hallage evitou, porém, comentar as acusações sobre níveis de poluição em estações de tratamento de esgoto. “Não temos conhecimento deles [dos laudos]. Precisamos avaliá-los para dar a correta interpretação”, argumentou. O executivo ainda negou a existência de relatórios secretos de emissão de efluentes nos rios, mas admitiu que uma vez um documento pode não ter sido fornecido ao órgão policial.



Nenhum comentário:

Postar um comentário