quarta-feira, 2 de março de 2011

Nilson Roth da de volta da Líbia e conta como foi os dias que passou naquele país


Como você pode acompanhar deste o inicio da historia do prudentopolitano Nilson Antonio Roth, que estava trabalhando na Líbia, agora vai poder acompanhar seu relato de como tudo começou e como foi seus dias naquele país. A Radio Cidade entrevistou Nilson já em Prudentópolis. Ele relatou que no inicio que os paises começaram e que poderia vir a Líbia. E eles tavão trabalhando no dia 18/01 e já no dia 19/01 já foram comunicado que já partir deste dia eles não iriam mais trabalhar e que não teria mais transportes. Eles ficaram fechados em casa mais estavam com medo de que poderiam a qualquer momento ter a casa invadida, pois o presidente queria todos do país na rua e mostrar para mundo que tava tudo normal, mais não era isso que estava acontecendo. O presidente falava muito que era pessoas de outros paises que estavam vindo lá para derrubá-lo e mesmo falava que saia do poder ate agüentar a ultima bala. O povo libio não tinha preconceito com os brasileiros. Sobre os contactos com a família no começo era via telefone, mais não demorou muito e ficaram sem telefone. Ficou somente a internet e era muito pouco que todos podia usar e que teria que ficar direto na frente do computador para poder falar com a família e já no dia 20/02 acabaram ate cortando a internet. Nilson fala que pode sentir ele não vai deixar o poder e que era tanto de dia e como a noite tinha confrontos e muitos tiros, mais também tinha muitas pessoas do país que não se envolviam mesmo com a pressão do governo. Nilson fala que espera que se tenha rápido uma intervenção, pois o povo esta sofrendo muito. Já em questão de comida para eles, recebiam somente no horário do almoço onde era a hora mais calma, mais mesmo assim já vinha o almoço, janta e café. Mais tudo reduzido. Já em relação aos mercados e postos de combustíveis estão todos fechados. Também a grande pressão da população para tentar no aeroporto e a própria policia não deixava e batia em quem tentasse passar este cordão de isolamento mesmo sendo criança ou pessoas idosos. Nilson também confirmou o que a tv ta mostrando onde vários soldados estão deixando o lado do governo e estão se juntando com a população. Vários aviões ou foram abandonados ou destruídos. O exercito de lá é diferente do Brasil onde a pessoa lá tem que ficar ano depois 18 anos e depois ate aos 40 anos tem que se apresentar todo ano. Em relação para eles ir embora nunca tiveram algo de concreto e só sabia que iriam sair só não saberiam quando e a empresa falou para que todos estivem pronto e foi o que aconteceu onde chegou uma pessoa da empresa avisando que era para sair que estavam indo embora, tanto que a recomendação era que todos ficassem prontos e tantos ate já dormiam com roupa para poder estar pronto pra sair a qualquer momento. Eles ficaram com muito medo de não conseguir sair mais o alivio foi grande quando já estavam a caminho de Ilhas de Malta e depois a Portugal e chegar ao Brasil e mesmo estando no caminho eles ficaram apreensivos, pois tinha pessoas que ficaram para trás quando eles da mão de obra e já em Malta também souberam que também conseguiram sair. Sobre a possibilidade de voltar, Nilson que isso só que depois de tudo resolvido e não for o mesmo governo se não vai voltar para Líbia. Nilson ficou com a supressa dos amigos e de toda a família presente no aeroporto e depois em sua casa e a alegria de sua mãe que tinha ficado em Prudentópolis
Texto: Élio Kohut – foto: Élio Kohut
Programa Cidade Noticias (12:00 as 13:00 hrs) – Radio Cidade – www.cidade104fm.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário