quarta-feira, 14 de novembro de 2018

SIRLEI BUFFET - CASAMENTOS - EVENTOS EM GERAL

SIRLEI BUFFET - O DETALHE QUE FAZ A DIFERENÇA
FAÇA SEU EVENTO INESQUECÍVEL
COM MENOR PREÇO E COM MUITA HIGIENE E QUALIDADE
SERVIMOS:
- CASAMENTOS;
- EVENTOS EM GERAL;
- LOCAÇÃO DE UTENSÍLIOS;

CONFIRA O VARIADO CARDÁPIO DO NOSSO BUFFET

FONE: (42) 9 9930-6846
E-MAIL: SIRLEICORRENT@HOTMAIL.COM

Previsão do tempo para Prudentópolis

By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: INTERVALO DA NOTICIAS Imagem: Élio Kohut (Intervalo da Noticias
 
Confira a previsão do tempo para Prudentópolis, conforme o Jornal do Tempo.
A previsão poderá mudar a qualquer momento. Confira aqui mais detalhes.
Continua depois da publicidade
- Quarta: Sol, alternando com pancadas de chuva e possíveis trovoadas: 2mm (tarde): 18 ºC a 28 ºC
- Quinta: Sol, alternando com pancadas de chuva e possíveis trovoadas: 2mm (tarde): 17 ºC a 28 ºC

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Mãe que lutava contra doença rara do filho morre quatro meses depois dele


By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: METROPOLES Imagem: Divulgação


A mãe do jovem Sérgio Luiz Ferreira da Silva, conhecido como Serginho, morreu nessa quarta-feira (07) em Cuiabá. Rita de Cássia cuidou incansavelmente de seu filho por 20 anos e, após o adeus ao menino, que faleceu no dia 1º de julho deste ano, ela teria perdido a vontade de viver.
A família ficou conhecida porque Serginho travava uma longa batalha contra a doença chamada epidermólise bolhosa, considerada rara e complexa. Em uma publicação no Facebook, uma amiga da família divulgou a morte, chamando a Rita e ao filho de “guerreiros”.
“Com a morte do filho, em julho, ela perdeu a vontade de viver, já não tinha mais a pessoa que dependia dos seus cuidados e do seu amor”, disse a amiga.
Segundo a publicação, após a morte do filho, a saúde de Rita ficou debilitada e precisou ela mesma de uma internação hospitalar, no isolamento, “que, infelizmente, não aconteceu devido à precariedade de nosso sistema de saúde”, escreveu a amiga.
Rita, uma guerreira que lutou pela saúde do filho a vida toda, agora, enfim, descansará junto a seu menino.
Continua depois da publicidade

Lição de vida
Serginho, desde cedo, mostrou-se ser um grande sobrevivente: nasceu com uma doença genética rara e recebeu a sentença de apenas um mês de vida. Contrariando os médicos, cresceu, lutou e inspirou muita gente, por meio de diversas palestras motivacionais. O menino nunca chegou a andar. Saiu do carrinho de bebê para uma cadeira de rodas e teve seu desenvolvimento afetado – e mesmo com sua doença, que causa a descamação da pele e, por consequência, maior sensibilidade, não se deixava esmorecer. Era fonte de alegria para quem o cercava.
A história do menino também é marcada por solidariedade. Em razão das condições da família, Serginho, sempre querido na vizinhança, contava com ajuda da população para a aquisição de medicamentos e custeio de tratamentos. Serginho chegou a ser atendido em um hospital de São Paulo, onde fazia radioterapia. No entanto, o alto valor do tratamento fez com que a família precisasse continuá-lo no Hospital Júlio Müller, em Cuiabá.
Continua depois da publicidade

Em razão de um tumor no joelho, Serginho chegou a ter uma das pernas amputadas no ano passado. O momento trouxe tristeza. Mesmo sem nunca ter andado, ele sentia falta da perna, mas sabia que era o melhor, já que o membro lhe trazia dor. Em diversas entrevistas, Serginho se dizia grato pela solidariedade das pessoas. Dizia ser um garoto feliz e querido.
Ele morreu no dia 1º de julho, depois de ter complicações e ser internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Júlio Müller, e não resistir.



OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE