segunda-feira, 26 de junho de 2017

‘Não pude salvar vidas por ser gay’, diz jovem impedido de doar sangue



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: G1 Imagem: Divulgação


Impedido de doar sangue por ser homossexual, um auxiliar administrativo de São Carlos (SP) disse que se sentiu humilhado. No Dia Mundial do Doador de Sangue, Caio Roberto contou como a falta de informação afeta a população LGBT no país.
“Senti vergonha de chegar em casa e contar para os meus pais que eu não pude salvar vidas por ser gay”, desabafou o jovem de 21 anos.
No Brasil, homens que mantêm relações homoafetivas são impedidos de doar sangue se tiveram relações sexuais a menos de um ano por pertencerem a um grupo de risco, segundo a portaria 158/2016 do Ministério da Saúde.
As atuais regras brasileiras estão sendo questionadas pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), no Supremo Tribunal Federal (STF). 
Vergonha
Caio foi tentar doar sangue na semana passada. Ele contou que foi surpreendido pela atendente no decorrer da entrevista que faz parte do processo de triagem. 
“Ela questionou se eu tinha namorada ou namorado. Como não tenho nada para esconder, respondi ‘namorado’. Ela parou de digitar e alegou que eu não poderia doar, pois quem pratica ato sexual com pessoas do mesmo sexo é considerado um risco”, contou ele.  
O jovem disse que no momento ficou chateado, além de achar a orientação machista e homofóbica. 
Desinformação
Roberto disse que não sabia que existia uma portaria que exclui homossexuais do grupo apto para doar sangue e que descobriu após publicar um relato na rede social sobre o que aconteceu. 
“Uma menina que trabalha em um banco de sangue comentou no meu post e explicou que pessoas com relações homoafetivas teriam que ficar 12 meses sem ter relação sexual para conseguir doar. Para mim, está errado, héteros podem praticar os mesmos atos”, disse.  
Para o jovem, a informação sobre doação de sangue de homossexuais deveria constar nas cartilhas e folhetos de orientações.
“Assim todas as pessoas ficariam sabendo e ficariam surpresas por ainda existirem esses atos horríveis e desta forma teríamos cada vez mais vontade e voz de lutar contra tudo isso”, declarou. 
Preconceito velado
O advogado Guilherme Dias disse ao G1 que, além do possível doador ser prejudicado pela portaria, a coletividade também é afetada. “A falta de sangue nos bancos é uma realidade no Brasil. Quando você cerceia e exclui um grupo, você está impedindo que pessoas que necessitam de sangue o recebam. Tudo isso por uma simples orientação de gênero”, afirmou.
Dias também destacou que no momento da triagem o motivo da exclusão não fica explícito. “Eles fazem uma série de perguntas, questionam e simplesmente tiram a pessoa sem grande justificativa. Então, não há uma postura declarada, muito bem pontuada, que a gente consiga saber com facilidade. Isso acontece de maneira velada”, pontuou.
Para Dias, a medida é contraditória, uma vez que não é correto relacionar a homossexualidade com relacionamentos promíscuos. “A portaria cria uma diferenciação que não é real. Você não pode relacionar a orientação de alguém à possibilidade de ela contrair doenças”, disse.
O advogado também ressaltou que nos últimos anos a maioria de portadores do vírus da Aids é heterosexual, sendo grande parte mulheres (58, 2%).
Banco de Sangue
O diretor do banco de sangue de São Carlos, Marcus Bizarro, explicou que a cada bolsa de sangue coletada é possível salvar a vida de até 10 crianças ou três adultos. O custo para a manutenção do serviço como um todo varia de R$ 300 a R$ 500. Sobre a recomendação feita pelo Ministério da Saúde, o médico afirma que não concorda com a tese.
“Não há ciência envolvida neste aspecto. Os parâmetros que temos de controle prévio são a avaliação do comportamento e o exame que garante a segurança. A portaria é falha em vários sentidos, mesmo porque não dá pra saber se na entrevista o candidato está falando a verdade”, disse.
Bizarro acredita que a portaria, criada em fevereiro de 2016, não perdurará por muito tempo. “Nós vemos indícios de comportamento político nela. Se houver pressão da sociedade para pedir explicações e justificativas sobre, provavelmente cairá”, declarou.
Apesar de não concordar, o médico afirmou que a portaria é seguida de forma que possa garantir a regulamentação da Vigilância Sanitária. Entretanto, justifica que tem cuidado para não divulgar essa informação, pois pode ser interpretada como uma medida discriminatória.
“Acho que até demorou para a mídia saber da portaria. Porque está sendo problema para nós, que somos um serviço que depende do público, temos que zelar pela nossa imagem e não podemos, por outro lado, divulgar essa informação que parece muito controversa. E não podemos passar por autores dessa política discriminatória”, concluiu. 

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário