quarta-feira, 12 de abril de 2017

Rapaz morto em confronto com a PF foi velado na Câmara Municipal



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: G1 Imagem: G1

Prefeita publicou em uma rede social a perda do familiar

Foi enterrado na manhã deste domingo (9), no Cemitério Municipal de Sandovalina, o corpo de Ariel Lima de Campos, de 23 anos. Ele foi um dos seis homens suspeitos de roubarem bancos no interior de São Paulo e no Paraná que morreram durante um confronto com agentes da Polícia Federal (PF) em Alvorada do Sul, no norte do Paraná, nesta sexta-feira (7).
Conforme informações, Ariel é primo da prefeita de Sandovalina, Amanda Lima de Oliveira (DEM), e foi velado na Câmara Municipal. Em uma rede social na internet, a chefe do Executivo realizou uma postagem em homenagem ao familiar, em que diz: “Eu sempre fui completamente apaixonada por vc [sic]”. Dezenas de comentários desejavam sentimentos e conforto à família.
O G1 tentou contato com a prefeita, por meio de telefone, mas as chamadas iam direto à caixa postal. A reportagem também tentou contatar a presidente da Câmara Municipal, Jaqueline Sanfelix (PSDB), mas as ligações não foram atendidas. Para ambas, foram deixados recados, por meio de mensagens, mas não foram respondidos.
Confronto
De acordo com a Polícia Federal, o confronto ocorreu por volta das 7h30 de sexta-feira (7), no Rio Paranapanema. Horas antes da ação, os mesmos criminosos explodiram duas agências bancárias em Cruzália, no interior de São Paulo.
Na fuga, agentes da PF das cidades paranaenses de Maringá e Cascavel, que já investigavam o grupo, encontraram os suspeitos no rio. Houve troca de tiros e, conforme a PF, sete criminosos estavam em dois barcos. Uma das embarcações foi atingida e acabou afundando. Segundo a polícia, seis assaltantes morreram e um conseguiu escapar.
Os agentes também encontraram fuzis, pistolas e máquina de contar dinheiro em uma chácara de Alvorada do Sul, no norte do Paraná. No local, os agentes ainda localizaram explosivos que poderiam destruir mais de 20 agências, segundo análise preliminar dos peritos. “A informação é de que a quantidade de explosivos ali daria pra gerar a explosão de até 25 agências bancárias”, afirmou o delegado da PF de Maringá, também na região norte do Paraná, Alexander Noronha Dias.
Como os explosivos estavam montados, o Esquadrão Antibombas do Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar de Curitiba (PR) foi chamado.
O local foi encontrado após ação da Polícia Federal, na manhã desta sexta-feira (7), que terminou com a morte de seis suspeitos. Durante toda a tarde desta sexta, equipes da PF e da Polícia Militar do Paraná, além de peritos e bombeiros, vasculharam as margens do Rio Paranapanema, em Alvorada do Sul. De acordo com a polícia, a quadrilha que estourava caixas eletrônicos no Paraná e no interior de São Paulo já estava sendo monitorada.
Segundo Dias, os assaltantes agiam sempre da mesma forma: chegavam de madrugada em cidades pequenas, com pouco policiamento, e parte da quadrilha atirava contra o destacamento da PM e outra parte ia para a agência bancária para realizar o roubo.
Para prender os criminosos, foi montada uma operação. A PF ficou sabendo que a quadrilha explodiu caixas eletrônicos na cidade de Cruzália, no interior de São Paulo, e, como de costume, usaria o rio para fugir. Quatro policias federais passaram a madrugada no local e, pela manhã, houve o confronto.
O delegado federal explicou que foi possível recuperar dois malotes, que tinham a identificação das agências bancárias de Cruzália, confirmando que o grupo foi responsável pelo crime na cidade. 


OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário