terça-feira, 11 de abril de 2017

Povo foi "golpeado e traído" por Temer e Congresso, diz panfleto de paróquia em SP



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: UOL Imagem: Divulgação

Antes mesmo de a CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) se posicionar para que as reformas do governo de Michel Temer (PMDB) fossem abordadas criticamente em missas e nas comunidades católicas, uma igreja da zona leste de São Paulo decidiu ela própria abordar o assunto com os fiéis da maneira mais direta possível.
A paróquia é a Nossa Senhora do Carmo, em Itaquera, adepta da Teologia da Libertação –movimento dentro da Igreja Católica mais próximo de raízes marxistas.Em um panfleto datado do último dia 19 de março e que correu as redes sociais nesse fim de semana, um trecho da "Oração dos fiéis" cita o presidente e os parlamentares com uma mensagem de crítica implícita às reformas previdenciária e trabalhista, mencionadas pela CNBB: "Senhor, vede o sofrimento do povo brasileiro, golpeado e traído pelo governo Temer e pela maioria dos deputados e senadores que retiram direitos constitucionais adquiridos, pedimos".
De acordo com o padre Paulo Sérgio Bezerra, 63, pároco da unidade, o semanário litúrgico, que é da própria igreja, "sempre teve essa linha mais crítica" nos 12 anos em que tem circulado. A diferença, afirma, é que, "com as redes sociais, essas coisas ganham mais visibilidade."
"A gente acaba trazendo o contexto atual para o contexto litúrgico, o que não fere as regras da própria Igreja sobre liturgia –de que as preces se originem no bafejo das sagradas escrituras, mas contextualizadas. Quando se faz isso, se pegam os fatos da vida, o momento litúrgico (por exemplo, uma missa, um funeral, um casamento) e se indica uma contextualização –o que há de mais atual, hoje, do que essa crise institucional e essas reformas que afetam os trabalhadores?", indagou. "Se não trazemos essas situações para a liturgia, para que servem as orações dos cristãos?", reforçou.Para o religioso, é "missão da Igreja e dos padres despertar a consciência crítica do povo –para não ser massa, mas povo".
"Muitas vezes, o que fazemos é traduzir em orações simples, curtas e com uma linguagem mais direta o que está por aí, no cotidiano, ou mesmo em manifestos como o da CNBB –até porque é muito mais fácil guardar a mensagem como em oração do que como um texto ou uma declaração", avaliou.
"Em política partidária a gente não se mete"
Se houve críticas na comunidade à atuação mais politizada do padre? Bezerra admite que sim. "Em política partidária a gente não se mete; eu mesmo nunca declarei e jamais declararia meu voto no púlpito. Estou na paróquia há 35 anos, e, se nesse tempo um ou outro fiel deixou de frequentá-la pelos posicionamentos nas missas, percebo que essas são reações isoladas –até porque as orações são elaboradas pela coordenação pastoral, que envolve leigos", observou. "Mas as reações costumam ser mais de fora da paróquia. Não tem católico que critica até o papa Francisco?", indagou.Bezerra garantiu ter o aval do bispo Manuel Parrado Carral, da Diocese de São Miguel Paulista, também na zona leste da capital, para as mensagens de teor político. A diocese é uma das quatro que existem na cidade –além da Arquidiocese, que mantém, com elas, uma relação de independência litúrgica e jurídica. "Tenho autorização do meu bispo para isso, e estou também respaldado pelo meu direito de liberdade de expressão e pensamento para expor isso nas redes sociais", enfatizou o padre, simpatizante de lideranças e de ocupações do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).
Na última página do folheto de 19 de março, foi publicado um texto assinado pela Frente Povo Sem Medo, que congrega movimentos sociais de esquerda, sobre a mobilização dos trabalhadores contra as reformas da Previdência e trabalhista. O texto fecha com as palavras de ordem "Fora Temer!" e "Diretas Já!". Procurada sobre o assunto, a Arquidiocese informou que a paróquia comandada por Bezerra responde apenas à diocese de São Miguel Paulista. Lá, a assessoria do bispo não conseguiu localizá-lo, mas ressalvou que, "pela nota da CNBB, os padres podem abordar, nas celebrações, as reformas que afetam os direitos dos trabalhadores".
O governo federal alega que a reforma trabalhista visa a garantir a flexibilização e modernização das relações de trabalho --sobretudo, pela terceirização irrestrita da mão de obra, aprovada na Câmara há duas semanas e sancionada por Temer semana passada. Já a reforma previdenciária, defende o governo, é o que garantiria sanar um rombo bilionário nas contas públicas e retomar a capacidade de investimentos futura.
Em 2015, mesma igreja atacava violência contra LGBT
A menção a Temer e aos congressistas não é a primeira polêmica em que o padre de Itaquera se envolve. Em 2015, também na "Oração dos Fiéis", os presentes eram conclamados a suplicar contra "a ofensiva homofóbica, fundamentalista e histérica presente no Congresso Nacional" e a enfrentar situações como essa "com ousadia e serenidade" e em defesa de "causas libertárias". Na ocasião, o texto pedia ainda pelo diálogo sobre as sexualidades, para que isso levasse "as igrejas cristãs a superar a demonização das relações afetivas".
Na ocasião, a ofensiva contra a população LGBT ganhara reforço com a 19ª Parada do Orgulho LGBT, em São Paulo, depois que a atriz transexual Viviany Beleboni desfilou sobre uma cruz. O gesto despertou a ira da bancada evangélica da Câmara Federal, que ameaçou votar o projeto de lei que tornava a "Cristofobia" crime hediondo.











OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário