quarta-feira, 26 de abril de 2017

Comissão da Câmara aprova texto da reforma trabalhista por 27 votos a 10



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: UOL Imagem: Divulgação

A comissão da Câmara que analisa a reforma trabalhista aprovou, nesta terça-feira (25), o texto principal do relator Rogério Marinho (PSDB-RN). Foram 27 votos a favor e 10 contra a proposta. O projeto, que tramita em caráter de urgência, segue para votação no plenário da Câmara --o que deve acontecer nesta quarta-feira (26). É preciso apoio da maioria simples dos deputados presentes na sessão. Se aprovada, a proposta segue para o Senado.
O projeto de lei 6787/16 mexe nos direitos dos trabalhadores e define que acordos coletivos poderão se sobrepor à CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). O texto também permite a divisão das férias em até três vezes, regula questões como o home office e a terceirização, e acaba com o imposto sindical.
A comissão da Câmara deixou de votar 25 destaques que retiravam trechos do projeto porque começou a sessão plenária da Casa --o regimento impede votações em comissões enquanto o plenário estiver em votação. Mesmo assim, o projeto da reforma será enviado diretamente para o plenário. "Vamos terminar a votação em plenário", disse o presidente da comissão, deputado Daniel Vilela (PMDB-GO).
O governo tem pressa para aprovar o projeto, por temer que a greve convocada para a sexta-feira (28) influencie deputados a votarem contra a reforma trabalhista.
Partidos contra e a favorEntre os partidos que têm representação na comissão especial, o PT, PDT, PC do B, PSOL, PSB, PEN e a liderança da minoria orientaram voto contrário ao parecer apresentado por Marinho. Para a oposição, a proposta retira direitos dos trabalhadores e precisa ser mais discutida.
Já para os governistas, a proposta já foi amplamente debatida e contribuirá para modernizar as relações de trabalho e estimular a geração de empregos.
Texto teve 457 emendas
O parecer original foi apresentado por Marinho na semana passada. Desde então, recebeu 457 propostas de emenda feitas por deputados.
O relator apresentou o texto final e disse que fez apenas alterações pontuais no parecer. "As modificações foram feitas todas no sentido de aperfeiçoar e de melhorar o texto que foi apresentado inicialmente", disse.
Mudança em regra para grávidas
Uma das mudanças apresentadas por Marinho é no artigo que libera o trabalho em ambientes insalubres de gestantes e quem está amamentando, desde que apresentem um atestado médico autorizando.
Isso ainda está previsto no parecer, mas o relator incluiu no texto que o atestado deve comprovar "que o ambiente não afetará a saúde do nascituro, além de não oferecer risco à gestação ou à lactação".
O relator, porém, deixou aberta a possibilidade de fazer mais mudanças no artigo. Durante a sessão, Marinho afirmou que quer se reunir com a bancada feminina da Câmara para ouvir a opinião das deputadas.
"Se elas disserem que querem alterar (o artigo), querem retirar, a gente está aberto para conversar. Não tem dificuldade", disse o relator. "Se a bancada feminina quiser manter o texto, ótimo. Mas a minha convicção é que isso retira a mulher do mercado de trabalho".
Regra para terceirização
Outra mudança no texto é na medida que proíbe que um trabalhador seja recontratado como pessoa jurídica pelo prazo de 18 meses após a saída da empresa.
O texto foi modificado "para proibir que um empregado seja demitido da empresa e volte a prestar serviço para esta mesma empresa na condição de empregado de empresa terceirizada".
"Fizemos aí a quarentena de todas as formas para evitar que haja substituição de mão de obra pela terceirização", afirmou Marinho.

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário