quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Pobres vão pagar a conta pela PEC do teto dos gastos, dizem analistas alemães



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: UOL Imagem: Divulgação


O Senado debate a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55, antiga PEC 241, também chamada de PEC do teto dos gastos, e a previsão é votá-la em primeiro turno na próxima terça-feira (29/11). Controversa, a emenda limita o aumento dos gastos públicos à variação da inflação do ano anterior por duas décadas, e é uma das apostas do governo do presidente Michel Temer para reequilibrar as contas públicas. Quando foi enviada pelo Poder Executivo ao Congresso no primeiro semestre, a proposta ainda incluía os investimentos em educação e saúde no teto de gastos. Mas, devido à repercussão negativa e à pressão de parlamentares da base aliada, o governo recuou e decidiu colocar em prática o limite de investimentos para esses dois setores somente a partir de 2018.
Para analistas alemães ouvidos pela DW Brasil, a discussão sobre a PEC está sendo conduzida à margem da maioria da população brasileira, e os mais pobres – que mais precisam dos serviços do Estado – vão pagar a conta desse ajuste, já que o governo não terá espaço de manobra para aumentar os gastos em serviços básicos como saúde e educação no momento em que a economia voltar a crescer.
"Os congressistas estão alterando os dispositivos constitucionais de 1988 em um país extremamente desigual e no qual o poder público deveria ter justamente um papel contrário: o de adotar medidas redistributivas para ampliar os direitos e melhorar as condições de vida da população", afirma Gerhard Dilger, diretor do escritório em São Paulo da Fundação Rosa Luxemburgo, ligada ao partido alemão A Esquerda.
Ele afirma que, com a crise econômica, os brasileiros estão usando mais os serviços públicos, e o recado que a PEC dá é que existe uma conta alta a ser paga e quem vai arcar com o custo dela é a população mais pobre. "É uma política distributiva com sinal invertido e com um resultado previsível: a ampliação das desigualdades sociais no país", diz.
Conta da irresponsabilidade
Já para Jan Woischnik, diretor da Fundação Konrad Adenauer no Brasil, ligada à União Democrata Cristã (CDU), se nos últimos 13 anos o Governo Federal tivesse adotado uma governança responsável, não seria necessário implementar a PEC em um momento político tão difícil para o país.
"O Brasil passa por uma crise muito séria, e o presidente Temer tem toda razão em agir dessa forma", acrescenta. "É muito lamentável que áreas sensíveis e tão importantes para o futuro do Brasil, como educação e saúde, vão sofrer com a nova política de austeridade. Mas, quando não se tem dinheiro, não é possível gastar. Se o governo não realizar a reforma agora ou nos próximos seis ou nove meses, ela já não funcionará, porque estaremos nos aproximando da campanha eleitoral e das eleições."
Dawid Bartelt, diretor da Fundação Heinrich Böll no Brasil, ligada aos Partidos Aliança 90/Verde, diz que a PEC, além de aumentar a desigualdade social, vai prejudicar o desenvolvimento social e a materialização dos direitos humanos no país. "Essa medida tem um efeito político muito claro: depois de reduzir os investimentos em áreas sensíveis, o governo vai congelar esses gastos. E, assim, a lei reduzirá a capacidade do governo de tomar decisões políticas de aumentar investimentos nas áreas sociais", opina.
Propostas alternativas
O diretor da Fundação Friedrich Ebert no Brasil, ligada ao Partido Social-Democrata (SPD) da Alemanha, Thomas Manz, concorda que a PEC 55 não é favorável para o país. "Embora seja preciso ter o controle sobre as conta públicas e resolver o atual déficit, a lei foca exclusivamente nas despesas. E, assim, deixa de lado o fato de que o desequilíbrio das contas públicas é, em grande parte, provocado pela queda acelerada das receitas devido à crise econômica e a desonerações tributárias feitas ao setor produtivo", avalia.
O analista explica que a criação de um teto para os gastos públicos não leva em consideração o crescimento da população nos próximos anos e os investimentos em saúde e educação, que deveriam aumentar acima da inflação.
"Senão, os gastos per capita vão diminuir, gerando um efeito negativo na qualidade dos serviços públicos. E como as despesas com a Previdência continuarão crescendo acima da inflação, os investimentos em programas sociais precisarão ser reduzidos."
De acordo com Manz, a melhor forma para resolver o problema fiscal no país seria considerar diferentes medidas: estabelecer um teto de despesas por um prazo mais curto, mas flexível para que o governo possa reagir a uma possível melhora da economia; retirar do teto obrigatório despesas como saúde, educação e assistência social; e fazer uma reforma da Previdência que se concentre nas partes deficitárias, como o atual regime dos militares, que é responsável por cerca de 40% do déficit no pagamento das aposentadorias. 
MATÉRIAS RELACIONADAS:
Alunos ocupam Colégio Agrícola de PG. 

Justiça nega reintegração de posse de escolas.
 

Número de escolas ocupadas no Paraná chega a 210, diz movimento.

Alunos ocupam o Col. Barão de Capanema.

Justiça aceita pedido de reintegração de posse do Col. Agrícola em PG.

Governo decide acionar Conselho Tutelar e decreta recesso escolar.

Estudantes ocupam campus de Irati da Unicentro.

Pais e alunos opinam sobre ocupação de escolas da Rede Estadual.

Ocupação atinge mais da metade dos Colégios Estaduais de Guarapuava.

Mais dois colégios são ocupados em Prudentópolis.

Justiça autoriza reintegração de posse na UEPG.

Adolescente morre dentro de escola estadual ocupada no PR.

Colégio ocupado volta a ter aulas em Irati.

Suspeito pela morte de aluno em escola é preso em Curitiba.

Justiça autoriza reintegração de posse de 21 escolas de PG.

Em protesto contra PEC 241 e reforma do Ensino Médio, estudantes da UFPR ocupam prédio da Reitoria.

Após morte de colega, estudantes decidem desocupar escola em Curitiba.

Colégios federais do Rio estão ocupados contra medidas de Temer.

Justiça determina reintegração de posse em colégios de Irati e Inácio Martins.

Contra a PEC 241, alunos ocupam a UTFPR em Dois Vizinhos.

Bandidos invadem escola ocupada e assaltam alunos.

1.022 escolas e 84 universidades estão ocupadas em 19 Estados e no DF.

'Mão de vocês está suja com sangue', diz aluna a deputados do Paraná.

PR: Justiça cumpre reintegração de posse em escolas ocupadas.

Sobe para seis o número de colégios desocupados em Guarapuava e Região.

MBL tenta desocupar colégios no Paraná à revelia da Justiça.

Estudantes deixam escolas e ocupam o Núcleo Regional de Educação em Curitiba.

Estudantes estão em ocupações para fumar maconha, diz senador José Medeiros.

Sem mandado, governo fecha entrada e corta energia e água do Núcleo de Educação.

Por desocupação, juiz do DF libera isolamento de alunos e privação de sono.

Prudentópolis está na lista dos alunos que terão o Enem cancelado.

Liminar restabelece desocupação de escolas estaduais em Irati.

Procurador do MPF-CE pede anulação do Enem 2016.

MEC aciona AGU para derrubar ação na Justiça que pede cancelamento do Enem.
No Senado, estudante Ana Júlia critica “repressão agressiva” de grupos contrários a ocupações.

Entenda a PEC 55.

Renan suspende sessão do Senado após manifestação contra PEC do Teto.

Saiba como votou cada senador no 1º turno da PEC do teto de gastos.

OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário