quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Projeto financia CNH para jovens que se dedicarem ao ramo de transportes



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: Rádio Najuá Imagem: Divulgação


Para tentar solucionar dois problemas, o da falta de caminhoneiros, e o de jovens de baixa renda desempregados, interessados em trabalhar com transporte de cargas não precisarão pagar pela primeira Carteira Nacional de Habilitação (CNH). A iniciativa é do Serviço Social do Transporte/Serviço Nacional de Aprendizagem (Sest/Senat) de Ponta Grossa.
O pré-cadastro deve ser feito no site do Sest/Senat. Podem se inscrever pessoas com idade entre 18 e 25 anos, e que saibam ler e escrever. O jovem também deve comprovar que tem renda familiar de até três salários mínimos. Em seguida, é necessário fazer os cursos de formação inicial oferecidos pela instituição. Por fim, o interessado precisa assinar um termo se comprometendo a continuar atuando no setor de transportes. Caso o jovem desista de trabalhar no ramo, ele é obrigado a devolver o valor pago pela habilitação.
O projeto arca com todos os custos da emissão da CNH, categoria B. Em seguida, a instituição disponibiliza cursos de formação específica para motoristas de caminhão e de ônibus, e ainda viabiliza a mudança de categoria da CNH de B para D e/ou E.  
Para o diretor do Sest/Senat de Ponta Grossa, Francisco Valério Junior, o projeto pode ajudar a resolver o problema a médio prazo. “A nossa intenção é suprir o déficit de profissionais no mercado de trabalho do ramo de transporte. A carência de mão-de-obra qualificada na área tem prejudicado também outros setores importantes da economia”, diz.
Iniciativa atrasada
O diretor administrativo do Sindicato das Empresas de Carga de Ponta Grossa (Sindiponta), Amauri Manosso, reconhece a importância do projeto, mas acredita que a iniciativa está atrasada e deveria ter sido tomada há cinco ou seis anos. “Nós já sofremos com o déficit de motoristas. Os jovens que participarem do projeto só estarão prontos daqui a três anos, no mínimo. E ainda não vão ter nem experiência”, declara.
Segundo Manosso, é praticamente impossível que empresas, por exemplo, contratem motoristas inexperientes para dirigirem caminhões que custaram caro. “Ainda mais se as viagens forem longas e por trajetos complicados. Sem experiência não dá”, explica. O proprietário de uma transportadora de Ponta Grossa, Maurício Bevervanço, afirma que, embora a média de idade dos motoristas tenha diminuído, a empresa opta por não contratar motoristas sem prática.
Hoje, segundo Manosso, o Brasil tem um déficit de aproximadamente 100 mil motoristas de caminhão. Embora não existam dados sobre a situação em Ponta Grossa, ele conta que as transportadoras da cidade têm deixado, inclusive, de comprar caminhões por causa da falta de motoristas.
O diretor do Sindiponta acredita ainda que a produção maior de caminhões, a falta de interesse dos jovens em seguir a carreira de caminhoneiro, o estresse e o perigo da profissão são os principais motivos da falta de motoristas. “Se houvesse 100 caminhoneiros procurando emprego hoje, em Ponta Grossa, todos teriam emprego garantido”, acredita.
 
OS COMENTÁRIOS NÃO SÃO DE RESPONSABILIDADES DO INTERVALO DA NOTICIAS. OS COMENTÁRIOS IRÃO PARA ANALISE E SÓ SERÃO PUBLICADOS SE TIVEREM OS NOMES COMPLETOS.
FOTOS PODERÃO SER USADAS MEDIANTE AUTORIZAÇÃO OU CITAR A FONTE

Nenhum comentário:

Postar um comentário