sábado, 25 de fevereiro de 2012

PREFEITO DE LIMEIRA EM SÃO PAULO É CASSADO

O prefeito Silvio Félix (PDT), da cidade de Limeira, interior de São Paulo, foi cassado por quebra de decoro por 10 votos a 4, em sessão na Câmara de Vereadores que seguiu até as 23h20 desta sexta-feira. Félix é o primeiro prefeito da cidade a perder o mandato. A sessão começou às 18h. A leitura das mais de 200 páginas do relatório da Comissão Processante (CP) na sessão anterior, de quinta-feira, terminou até perto da meia noite. Félix estava afastado das funções desde janeiro, e a prefeitura deve seguir nas mãos do vice, o empresário José Zovico (PDT), que será empossado como prefeito ainda com data a ser agendada. As sessões foram acompanhadas por grande público que se manifestou gritando palavras de ordem, cantando o Hino Nacional e pedindo a saída do prefeito. Alguns populares usaram camiseta com o desenho do personagem Gato Félix com a inscrição "Fora Félix". Um forte aparato de segurança foi montado: a Polícia Militar destacou 120 homens, com direito a cavalaria e tropa de choque para o prédio da Câmara. Félix é investigado pelo Legislativo por suposta quebra de decoro devido a uma infração político-administrativa. Em uma operação conduzida no final de novembro pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público Estadual, a polícia cumpriu mandado de prisão temporária de cinco dias de sua esposa, a ex-primeira-dama Constância Félix, dos filhos Murilo e Maurício e de outras nove pessoas que mantinham relacionamento pessoal e comercial como sócios-proprietários em empresas da família. À exceção de Félix, que tem foro privilegiado, todos foram acusados de lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, formação de quadrilha e furto qualificado. O prejuízo apontado pelo MP ultrapassa os R$ 20 milhões.
Compra de votos
Os 14 vereadores da cidade foram convocados e prestaram esclarecimentos aos promotores do Gaeco na tarde de quarta-feira. Todos afirmaram desconhecer um suposto convite de compra de votos para livrar o prefeito da cassação. O esquema foi denunciado por uma testemunha. "Há fortes indícios de compra de votos", disse o promotor Luiz Alberto Bevilacqua. Segundo os promotores, chegaram denúncias ao Gaeco por meio de carta e testemunhas presenciais de que houve oferecimento de vantagem financeira em troca de votos.Segundo os promotores, pode ter ocorrido negociação com a oferta em valores que variam de R$ 500 mil a R$ 3 milhões. Ao deixarem o prédio do MP, os vereadores se mostraram constrangidos e negaram terem recebido tal proposta.



By: INTERVALO DA NOTICIAS
Texto: Rose Mary de Sousa (Terra)  Imagem: Terra e Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário